Enfim, 2021 chegou. As esperanças se renovam e todos torcemos para que o novo ano seja melhor do que o passado. Eu sou otimista quanto a isso e sempre espero o melhor do que está por vir. Por isso gosto de olhar o lado bom das coisas.

Com essa mentalidade, comecei a pensar o que 2021 representaria para as escolas e tentei fazer um gancho com aprendizados e transformações que o ano passado nos trouxe.

É inegável que as escolas foram uma das entidades mais afetadas pela pandemia. Afetada talvez não seja a palavra mais adequada. Transformada ou chacoalhada, parecem se encaixar melhor. Digo isso porque as escolas, especialmente as particulares, saíram-se melhor do que o esperado. Sempre vistas como distantes da tecnologia e retrógradas, tiveram oportunidade de provar que podem sim se reinventarem e se adaptarem a novas realidades.

Prover ensino à distância, seja pelo computador ou até mesmo pela televisão, buscar ferramentas tecnológicas e adequar suas infraestruturas foram apenas alguns dos desafios enfrentados ao longo de 2020.

Essa superação de obstáculos incentiva educadores e mantenedores, mostrando para eles mesmos que eles podem ir além do que imaginam.

Dentre todas as transformações ocorridas no ambiente escolar, a que mais me excita é a transformação tecnológica.

Para exemplificar alguns movimentos, o governo do Estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (13 de janeiro de 2021) o programa Conecta Educação que vai destinar R$ 1,5 bilhão para compra de notebooks, wi-fi, estabilizadores, TVs, chips de celular e tablets para escolas da rede estadual. Claro, sabemos que essa não é e nem será a realidade da maioria das cidades do país, mas já é um avanço. Atividades e soluções educacionais que antes não poderiam ser feitas por falta ou obsolescência de tais equipamentos, agora são possíveis. Já na rede privada, diversos mantenedores com os quais tive contato nos últimos meses disseram que fariam ou fizeram investimentos em equipamentos e infraestrutura em suas escolas e alguns deles estão até incluindo notebooks e celulares em suas listas de materiais.

Por que falei tudo isso? Porque tem tudo a ver com o que eu acho que 2021 representará. Apesar de ainda tímida, a volta às aulas presenciais já está sendo programada em diversos estados. Nesse ponto, acho que temos um caminho para a volta à normalidade, mas a mudança de mentalidade das escolas não volta mais. Enxergar a tecnologia como um aliado e vislumbrar novos horizontes, possibilidades, ausência de fronteiras entre outros benefícios será o tal do “novo normal”. A pandemia acelerou o processo de adoção de tecnologia na educação em alguns anos. Então enxergo 2021 como o início de uma nova era na educação, na qual tecnologia e pedagogia andam juntos para tornar o aprendizado mais fácil, mas eficiente, mais eficaz, mais divertido e mais acessível.

Tomara que eu esteja certo!