Nossa entrevistada do mês é Fernanda Nyari.
Fernanda Nyari é pedagoga, sócia, fundadora da Kinder Kampus há 20 anos com a mesma sócia, a Catia Ryan. Uma dupla que dá muito certo e é raridade hoje em dia visto tantas sociedades que se ajustam ao longo dos anos, mudam, fusões, separações…
Fernanda é gestora e diretora pedagógica da Kinder Kampus School, escola bilíngue que atua com alunos de 1 ano e 3 meses, os bem pequenos, de fralda, que acabaram de aprender a andar, até o 9° ano, quando encerram o Fundamental II, o Middle School.
A escola é bilíngue, mergulhada na imersão do Inglês, muito preocupada em oferecer um currículo de extrema qualidade, tanto quanto se preocupa em olhar para o aluno como indivíduo, como ser humano que precisa ter sua auto estima fortalecida para enfrentar esse mundo que nos desafia a cada dia. Por isso o foco na inteligência emocional é um dos pilares mais importantes da escola, assim como a conexão que a escola tem com as famílias.
Fernanda tem 26 anos de experiência em Educação Bilíngue e já foi presidente da OEBi – Organização das Escolas Bilíngues. É casada com o Ricardo, mãe da Maria Fernanda (Nanda – 11 anos), João Pedro (Jotinha – 7 anos) e Johnny (Yorkshire de 1 ano).
Seu espírito inovador e sua crença no poder das tecnologias de ponta aliadas à educação fizeram com que fizesse a Kinder Kampus tornar-se uma das escolas pioneiras no Brasil a utilizar a Realvi.

Como a Kinder Kampus está enfrentando esse momento de isolamento social?

Estamos tentando enfrentar esse momento com um distanciamento físico, mas não social. Estamos mantendo o máximo de contato com os nossos alunos, pais e equipe por meets (videoconferências), lives e outros canais de comunicação (emails, WhatsApp, telefone, ClassApp, Google Classroom). Acreditamos que o diálogo nos aproxima mundo e, como não podemos ter o contato físico, procuramos manter o máximo de diálogo possível com toda comunidade Kinder Kampus.
Acreditamos que nesse momento tão atípico, tão tenso, intenso e incerto, cuidar do emocional é tão ou mais importante do que cuidar do conteúdo curricular. É claro que estamos olhando com cautela, responsabilidade e critério para o currículo, mas sabemos que ele pode ser recuperado e ajustado depois. Já o emocional, esse precisa ser muito cuidado nesse momento para que não tenha danos irreversíveis no futuro.
Esse é um dos motivos pelo qual a nossa comunicação é sempre direta e aberta com todos. Ao invés de enviarmos comunicados prontos com as decisões da escola chamamos os pais e equipe para videoconferências e conversamos sobre esses assuntos, como datas de antecipação de férias, descontos, estratégias para ensino remoto entre outros temas.

A Kinder Kampus pode ser considerada uma escola inovadora? Por quê?

Certamente sim e esse momento do COVID 19 nos comprovou isso, pois estamos vendo como já fazíamos há muito tempo o que muitas escolas começaram somente agora a se dar conta da necessidade em suas escolas.
Na Kinder Kampus School, além de sermos pioneiras e referência no ensino bilíngue somos pioneiras em outras frentes. Faz parte da grade curricular aulas inovadoras, estimulantes e alinhadas com as necessidades da atualidade, sempre seguindo a premissa de que é importante preparar os alunos academicamente, mas o que irá diferenciá-los enormemente é estarem preparados para o mundo.
Com base nesse raciocínio, além de toda a grade curricular tradicional, uma plataforma digital inovadora que conta com recursos tecnológicos visando a alta performance em cada disciplina, ensino personalizado voltado ao desenvolvimento das habilidades individuais com o aperfeiçoamento das necessidades particulares de cada estudante, carga horária diferenciada, estrutura física pensada nos mínimos detalhes para promover conforto e segurança, acolhimento e inclusão, os alunos podem contar com as seguintes aulas:

Empreendedorismo (do Year 1 ao Year 9): somos empreendedores de nossos projetos se entendermos que lideramos nossa vida. Basta ter uma SOPA: Sonho, Objetivo, Planejamento e Ação.
Educação Financeira (do Year 1 ao Year 9): aprender sobre ativos, passivos, a melhor forma de gastar, poupar, investir ou doar é determinante para o sucesso de qualquer pessoa.
Educação Sócio Emocional (do Year 1 ao Year 9): saber lidar com as próprias emoções, entendê-las respeitá-las é o primeiro passo para o convívio harmonioso em sociedade, no qual devemos nos respeitar e respeitar o próximo.
Mindfulness: trabalhar a concentração, praticar o “foco”, seja qual for a atividade ou tarefa. Em linhas gerais, buscamos auxiliar os alunos a refinarem a sua atenção com exercícios que visam desenvolver a concentração.
Sustentabilidade: temos uma engenheira ambiental que atua com os alunos e equipe na grade curricular para conscientizar sobre o nosso papel no mundo com relação a sustentabilidade. Mas não somente no sentido de economizar luz e água, mas na sustentabilidade das relações, entender, viver e atuar de acordo com os ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável) e ter uma relação sustentável com a maneira como nos relacionamos com o mundo.

Qual o papel da tecnologia de uma maneira geral no processo de aprendizagem dos alunos na Kinder? Ela ajuda no processo de educação bilíngue especificamente?

A tecnologia faz parte efetivamente da nossa estratégia de ensino-aprendizagem há pelo menos 3 anos, com a parceria que temos com o Google For Education. Nossos professores e coordenadores são capacitados para usar os recursos do Google como o Google Classroom, Google Meet, Forms, Google Docs e outras plataformas como ferramentas de trabalho no dia a dia assim como usam o caderno, o livro, o giz, a caneta etc.
No início do ano letivo, quando nunca nem ouvimos falar de COVID-19, nossos alunos, do 5o ao 9o ano, ganharam um chromebook para usarem na escola em em casa, o que mostra o quão a escola investe e o quanto os alunos estão integrados e familiarizados com relação à tecnologia educacional.
A nossa parceria com o Google For Education é essencial nesse processo do uso da tecnologia na Kinder Kampus School. Toda equipe da Google For Education é muito competente e solicita para capacitar nossa equipe e nos dar todo suporte necessário para que possamos usar as ferramentas em nossa rotina. Além disso, com o suporte que temos, o time For Education nos nutre de ideias e recursos sempre pensando nos projetos que realizamos, trazendo a tecnologia para nossa realidade e necessidade, ou seja, eles conhecem nossa dinâmica, nossas dificuldades, “dores” e necessidades e nos trazem soluções, ideias, dicas e todo suporte necessário para que o trabalho flua de maneira mais inovadora e possível. As soluções apresentadas sempre facilitam nossa dinâmica, inovam os processos e agregam ao currículo da escola.

Outra grande parceria que temos é com a Realvi que, apesar de recente, já nos mostra o grande ganho com a integração entre a tecnologia e o bilinguismo. Com o programa da Realvi cada aluno do Y1 ao Y9 recebe um kit composto por óculos de realidade virtual, “mission diary” (um caderno de anotações) e um “oráculo” (um disco com um código para as atividades de realidade aumentada). Com esse kit o professor conduz a aula, possibilitando que o aluno use o Inglês por meio da realidade virtual, “visitando” lugares do mundo todo e outros tempos da história, sem sair da sala de aula. O aluno entrará em contato com um personagem virtual que “conversará” com os alunos, possibilitando que utilizem o idioma em uma situação interessante e investigativa. Certamente essa parceria tecnológica é a que mais agrega ao bilinguismo!

Como serão as escolas pós-Covid?

Como serão eu não sei dizer, mas como eu gostaria que sejam… escolas mais humanas, que ensinem e aprendam mais do que formem os alunos. Antes da pandemia muitas escolas estavam preocupadas em “formar” tão bem seus alunos, que se focavam somente nos resultados e acabavam colocando os alunos em formas, em esteiras de fábrica, em linhas de produção, esquecendo o mais importante, o emocional.
A pandemia veio praticamente que para “formatar” o sistema, como fazíamos com um computador carregador que já não respondia tão bem. Vamos voltar diferente, pensando e valorizando muito mais as relações, os sentimentos, usando a tecnologia a nosso favor.
Exemplos práticos: consulta em provas – no sistema antigo consultar em prova é “cola”. Espero que a consulta seja vista como um recurso sábio. Para consultar você precisa entender o contexto, precisa diferenciar fake news de bons conteúdos, de boas referências. Nossos alunos têm o Google a disposição deles. Por que queremos que memorizem ao invés de estimular que saibam como pesquisar e usem em seu favor?
Outro ponto é com relação a conectividade com o mundo. As lives e cursos gratuitos online abriram muitas portas nesse período de isolamento. Temos que continuar com essa prática na qual podemos trazer o mundo exterior para sala de aula com a maior realidade possível.
As videoconferências certamente ficarão como grande mudança nas escolas. Aquelas reuniões de pais ou até de equipe, nas quais todos tinham que se deslocar fisicamente, perdíamos tempo no trânsito, muitas ausências por falta de logística com filhos… As videoconferências solucionaram esses problemas!

Como cuidamos com o emocional da nossa equipe, pais e alunos durante a pandemia?

Outro aspecto é com relação ao apoio socioemocional. Um dos maiores cuidados que tomamos foi em relação à saúde e bem-estar das famílias, alunos e equipe.
Para equipe montamos uma rede de apoio para que possamos conversar diariamente sobre a rotina de cada um, trocarmos experiências e falarmos também de assunto divertidos, chamamos este momento de “happy hour”. Sabemos que manter a energia positiva e a diversão durante o período de confinamento é o que nos ajudará com o excelente trabalho que a Kinder Kampus está fazendo. Além disso, sempre que percebemos que a energia de algum membro da equipe caía, chamávamos a pessoa em separado para uma videoconferência, ou um telefonema, para tentar entender o que estava acontecendo e tentar ajudar, mesmo que o ajudar naquele momento fosse pedir que a pessoa se afastasse por um dia para espairecer e retornasse melhor. Também enviamos um email para cada membro da equipe, com o assunto: “Cuidando de você”, no qual perguntamos como a pessoa estava em relação a alguns aspectos emocionais e colocamo-nos à disposição.
Pensando nas famílias e nos alunos, os pais possuem um momento semanal conosco, chamado “Keep in Touch”, onde podemos conversar sobre melhores estratégias e dinâmicas para casa, dificuldades de rotina e tudo o mais que eles quiserem.
Para nossa equipe e para os alunos do Ensino Fundamental, temos um coach de Inteligência Emocional que já lecionava para os alunos de 6º ao 9º ano, pois temos a disciplina em nossa grade horária.

Qual o seu conselho para os gestores escolares durante essa pandemia, e após ela?

Durante a pandemia: cuidem do emocional da sua equipe e comunidade de pais e alunos. Tenha empatia na tomada de decisão!
Pós pandemia: precisamos estar com o coração e a mente aberta para viver e nos adaptarmos ao novo, nos reinventarmos e sairmos da zona de conforto!